Categoria: Cultura

Séries e filmes de 2017 e a questão da Mulher

Nesse post decidimos reunir algumas indicações de filmes e de séries de 2017 que trabalharam com a temática feminina de algum modo, ressaltando a importância do empoderamento da mulher e de sua valorização na cultura cinematográfica.

Na equipe do Aqui é Cultura, cada um de nós tem um gosto peculiar, então vale ressaltar que as indicações feitas nesse post é minha e não de toda a equipe (embora eu saiba que algumas indicações feitas aqui irão agradar a tod@s). ; )

Para o post não ficar extenso demais, restringi a poucas indicações de filmes e séries. Além disso, vale ressaltar que os filmes e séries são de diferentes gêneros.

Filmes:

 

Mulher-Maravilha

A primeira super-heroína protagonista da DC Comics é representada pela incrível e maravilhosa (em todos os sentidos) atriz, Gal Gadot. Ela vive a princesa das amazonas Diana Prince que, a partir do encontro com o piloto de guerra Sete Trevor (Chris Pine), sai da segurança de sua ilha paradisíaca para enfrentar uma guerra na Terra em sua companhia. Diana acaba desvendando os seus verdadeiros poderes e sua verdadeira missão. O filme é cheio de efeitos especiais (de qualidade razoável) mas o que vale ressaltar é a relevância dessa heroína – mulher – na cultura dos quadrinhos e cinematográfica. Maravilhoso!

Mother!

Protagonizada pela atriz Jennifer Lawrence e pelo ator Javier Bardem, Mother!, do mesmo diretor de Cisne Negro, retrata a história de um casal recém constituído e que começa a viver situações conflituosas a partir da presença de estranhos em sua residência. À primeira vista, o filme parece tratar dessa relação amorosa, porém a história é cheia de alegorias e simbolismos e podem causar estranhamento e até mesmo incômodo em alguns expectadores, sobretudo por tratar-se de temáticas polêmicas. A fim de não cometer spoilers aos leitores, vou parar por aqui e ressaltar que é um filme que precisa ser visto, revisto, analisado e compartilhado.

A Bela e a Fera

A live-action desse clássico da animação é protagonizada pela atriz – e feminista declarada – Emma Watson, que vive Bela, moradora de uma pequena aldeia francesa e que tem seu pai capturado por uma criatura, a Fera (Dan Stevens). Bom, essa história nós já conhecemos, mas o que é importante ressaltar no filme é a presença da personagem no filme, destacada por sua independência e paixão por literatura. Além disso, Bela é decidida e não se contenta com as imposições sociais culturais colocadas para a mulher e busca desconstruir esses padrões. Em resumo: Bela é uma mulher empoderada e é bonito de ver a forma de retratá-la em um filme, em sua teoria, infantil.

 

Séries:

How to get away with murder – 4ª temporada

A série (emissora ABC), que já foi indicada por nós anteriormente no blog, já se encontra em sua quarta temporada, exibida em 2017. HTGAWM tem como protagonista a maravilhosa atriz – vencedora do Oscar – Viola Davis, que vive a advogada e professora Annelise Keating. A série conta com ótimos atores e atuações e vale ressaltar, inclusive, a performance das atrizes Karla Souza, que vive a personagem Laurel Castillo, Aja Naomi King, que vive Michaella Pratt e Liza Weil, que interpreta a sócia de Annelise, Bonnie Winterbottom. Porém temos que ressaltar a diferença que faz a atuação da atriz Viola Davis. A força de sua personagem é única e, sendo a peça central do enredo, faz toda a diferença nas reviravoltas da série. Quem ainda não viu está perdendo, e muito.

Handmaid’s Tale

Toda pessoa e, principalmente, toda mulher, precisa ver essa série. Os temas tratados na série são polêmicos e envolvem questões religiosas e sobre o machismo/patriarcado, e são tratadas de forma crítica e muito envolvente. A série, da emissora Hulu, é baseada no livro O Conto da Aia, escrito por Margaret Atwood (escritora canadense) em 1985 e já recebeu várias indicações e premiações, tais como Emmy Awards e Globo de Ouro. A história se passa nos Estados Unidos e trata da mudança de realidade na vida das mulheres que, de uma hora para a outra, tem seus direitos condenados. Na transição da condição de sujeitos à objetos, as mulheres tentam resistir a essa nova realidade e criam estratégias muito sagazes para concretizarem isso. A série possui diversas atuações impecáveis de diferentes atores e, sobretudo atrizes, entre as quais podemos destacar: Samira Wiley, que vive a personagem Moira (ela representou Poussey em OITNB); Alexis Bledel, que vive Ofglen (a famosa “Rory”, de Gilmore Girls); Yvonne Strzechowski, que interpreta Serena Joy e Ann Dowd, que interpreta a odiada Aunt Lydia. Mas temos que ressaltar a incrível atuação da atriz Elizabeth Moss, que vive a protagonista Offred e que, por seu papel, já recebeu vários louros, entre os quais o Globo de Ouro de Melhor Atriz em Série Dramática em 2018. Não percam mais nem um minuto sem ver essa obra prima da televisão.

Big Little Lies

Essa premiada série, que é da HBO, conta com ótimos atores em atuações fenomenais. A fotografia e a trilha sonora também são um espetáculo à parte e valem ser mencionadas. As atuações dos atores mirins também precisam ser destacadas e trazem um diferencial para o enredo. A série conta a história de cinco mulheres muito interessantes: Madeline (Reese Witherspoon), Celeste (Nicole Kidman), Jane (Shailene Woodley), Bonnie (Zoë Kravitz) e Renata (Laura Dern) que, envolvidas pela relação entre os filhos que são colegas em uma escola, vivem relações familiares e de amizade conflituosas e cheias de mistérios. Spoilers à parte, vale ressaltar que a série é uma aula de sororidade e é imperdível. 

The Crown – 2ª Temporada

A série, que é original da Netflix, conta a história da rainha do Reino Unido, Elizabeth II. A atriz Claire Foy protagoniza a série na companhia de Princípe Philip, interpretado pelo ator Matt Smith. A série retrata o início do reinado da rainha e narra os dramas pessoais e políticos da família real britânica. Em 2017 foi estreada a segunda temporada da série, que conta com a participação dos atores Michael C. Hall (Dexter), que representa o ex-presidente norte-americano, John Kennedy e Jodi Balfour, que interpreta a ex-primeira-dama norte-americana, Jackie Kennedy. Esse épico episódio mostra os bastidores do encontro do casal sensação da época nos Estados Unidos com o casal real britânico. Claire Foy tem uma impecável atuação e representa a rainha de forma firme, mesmo considerando o fardo em se carregar a coroa.

 

25542570_1211714918928636_4778227237332403929_o

Ruínas/Depuração: Exposição de Juan Grifone – Curadoria Felipe Guimarães

Exposição de Juan Grifone – Curadoria Felipe Guimarães

Ruína substantivo feminino

  1. Ato ou efeito de ruir;
  2. Restos ou parte mais ou menos informe de um ou mais prédios desmoronados ou destruídos pelo tempo, explosão, incêndio etc.; escombros, destroços, ruinaria.

Depuração substantivo feminino

  1. Atividade de limpeza ou exclusão de substâncias indesejáveis. “d. de metais”;
  2. Purificação moral; correção, expurgação, sublimação. Por meio de estéticas variadas, o artista Juan Grifone nos instiga a pensar a potência inerente à decadência inevitável da materialidade que nos cerca.

Até que ponto podemos assinalar o que é mudança e o que é deformação? Através de seu olhar atento, o artista usa de matérias diversas (papelão, terra, cimento…), normalmente vistas somente a partir de sua funcionalidade original e depois descartadas, e as transforma (deforma?) em um modo peculiar àqueles que têm o cuidado de enxergar o além-coisa para atingir o ali-contido.

Juan Grifone

Tal processo envolve queimar, recortar, despedaçar e juntar estes materiais em arranjos que nos remetem de forma distante ao que já foram, mas que agora servem a uma nova realidade, à pretensão de uma linguagem crua e binária. A visão ácida do artista não corrói somente os materiais pouco ortodoxos que utiliza, mas também símbolos sócio estéticos usuais.

Em estranhas reconfigurações, um clássico busto se funde a uma cadeira, um carro de luxo conduz a uma porta em chama e somos convidados a questionar também a decadência destes conceitos. Não seriam eles também passíveis de serem manipulados/deformados através desta intensa e despropositada cirurgia?

Convidamos a todos para se juntarem a nós na abertura desta exposição, onde tentaremos construir ou desconstruir sentido nisso tudo, enquanto experimentamos a excelente carta de cervejas do bar Agosto.

A exposição acontece no dia 11 de Janeiro de 2018, às 18h, no Bar Agosto Butiquim, que fica na Rua Esmeralda, 298 – Prado, Belo Horizonte – MG.

Grifone Artes

Sobre o artista

Juan Grifone é produtor visual e proprietário da Grifone Artes. Natural da Argentina, reside no Brasil há cinco anos e escolheu a capital Mineira para desenvolver pesquisas sobre arte e curadoria. Para o processo de criação de sua obra, o artista se inspira na viagem que fez da Argentina até o Brasil, passando por diversos Estados Brasileiros de bicicleta.

Neste percurso, Juan retratou suas sensações, experiências e aprendizagens através da sua arte, em telas, muros, casas e esculturas. A experiência com a arte proporcionou ao artista viver as mais diversas experiências, por lugares nunca esperados e trabalhos surpreendentes, como ilustrar um livro infantil em Arraial D’Ájuda e criar um mural de mosaico formado por 8000 peças em Morro de São Paulo. Juan ama a arte, se dedica intensamente ao que faz e afirma com prazer “respiro a arte, trabalho com a arte, vivo da arte!”.

Contatos do artista:

Facebook: grifoneartes
Instagram: @grifoneartes
Reinterpretating-Religious-Architecture-Church-of-Saint-Francis-of-Assisi-by-Oscar-Niemeyer-Homesthetics-1

Feliz aniversário, Beagá!

BH tá de aniversário hoje! A capital mineira completa 120 anos! A cidade foi fundada no dia 12 de dezembro de 1897. E vai ter festa pela cidade!

De acordo com o G1 Minas Gerais, um bolo inspirado na Igrejinha da Pampulha, será um dos pontos altos da comemoração: será distribuído na Praça da Estação, a partir das 19h. Ah, e vai ter show do Skank também!
Parabéns, Beagá! 🎊🎈🎈🎉

Para acompanhar a programação de aniversário, acesse:

www.belohorizonte.mg.gov.br/120anos